Ouça a rádio on-line.

Métodos de Evangelismo

Evangelismo é o sistema, baseado em princípios e métodos apresentados no Novo Testamento, pelo qual se comunica o Evangelho de Cristo a todo pecador sob a liderança e poder do Espírito Santo. A mensagem do Evangelho e a persuasão do Espírito Santo fazem com que o pecador aceite Cristo como seu Salvador Pessoal e se torne também um seguidor de Cristo. O discípulo, por ação do Espírito Santo, deve divulgar o Evangelho e aguardar a volta de Cristo em comunhão com uma igreja através do batismo e da celebração da Santa Ceia.

As várias maneiras de se evangelizar formam um sistema chamado Evangelismo.

Medite: 1 Timóteo 2.15. O Evangelismo, em função de sua complexidade, é a arte de fazer discípulos. A mesma coisa, portanto, que discipulado (Mateus 28:19 e 20)

Algumas definições:

l       Evangelismo é a missão suprema da Igreja.

l       Evangelismo é fazer a Palavra de Deus chegar ao conhecimento do povo.

l       Evangelismo é a Igreja que vai.

l       Evangelismo é a Igreja que segue.

l       Evangelismo é a Igreja que ataca.

Introdução a Disciplina Métodos de Evangelismo

l       Evangelismo nas Ruas

l       Evangelismo nos Presídios

l       Evangelismo nos Hospitais

l       Evangelismo nos Lares

l       Evangelismo Pessoal

l       Evangelismo via Mídia

l       Culto Ar Livre

l       Culto fúnebre

l       Culto em Lugares Públicos

Introdução a Disciplina Métodos de Evangelismo

CULTOS NOS PRESÍDIOS

l       O que pregar nesses locais?

l       Como fazer a abordagem nesses locais?

l       O que não se deve falar nesses locais?

l       Posturas reprováveis.

l       Postura mais correta.

l       Evangelismo e Ética.

l       Atenção aos objetos como roupas, celular e documentos pessoais.

l       Conhecer as regras internas do presídio.

l       Cuidado com o tom da voz ao pregar e orar.

l       Evitar fazer perguntas ao preso. (Deixar ele ficar à vontade e seguro para falar o que quiser)

l       Não falar de uso e costumes.

l       Tratar da angústia imediata do preso.

l       Não se comprometer em fazer favores ao preso fora do presídio.

l       Pregação: Jesus, Caráter de Deus, Vida com Deus, Transformação de vida e caráter, etc.

CULTO NOS HOSPITAIS

l       Entender que você é o diferente que entra no ambiente do paciente.

l       Cuidado com o tom de voz. Oração em voz baixa.

l       Roupas específicas para entrar em certas alas do hospital.

l       Entender o estado psicológico do paciente e do familiar.

l       Se identificar ao entrar no hospital e no quarto.

l       Não entrar em debates sobre religião.

l       Ouvir o paciente.

l       Oferecer oração aos pacientes do mesmo quarto.

l       Não faça promessas em nome de Deus, mesmo porque não sabemos a vontade de Dele para aquela pessoa.

l       Evite dizer: Deus vai fazer!

 Diga: Eu creio! Vamos orar para Deus fazer a vontade Dele.

l       Pregação: Esperança somente em Deus, Amor de Deus, Nova perspectiva da realidade da vida, salvação, etc.

l       Evite comentários desnecessários.

l       Entenda: Não somos nós que realizamos a obra.

 Estamos no hospital com o propósito de orar e falar do amor de Cristo. A obra quem fará a obra será Deus.

CULTO NOS LARES

l       Entenda que Casa não é Igreja.

l       Evite debates sobre quaisquer assuntos.

l       Você está na posição de evangelista de Deus e não de juiz.

l       Respeitar a casa (espaço) e os objetos pessoais das pessoas da casa.

l       Não se envolver nos problemas particulares das pessoas.

l       Seja educado e simpático.

l       Procurar saber antes o público que estará na casa durante a visita.

l       Você representará a Jesus e a Igreja.

l       Oração mais contida.

EVANGELISMO NAS RUAS

l       Cuidados com seus objetos pessoais.

l       Ouvir e evitar fazer perguntas.

l       Oferecer oração. Sem forçar.

l       Orar com os olhos abertos sempre.

l       Ter sempre em mãos um folheto evangelístico.

l       Entender a condição psicológica da pessoa abordada.

l       Evitar em se comprometer com ajuda posterior a do momento da abordagem.

l       Pregação: Amor e caráter de Jesus, transformação de vida somente em Deus, regeneração e restauração.

EVANGELISMO PESSOAL

l       Respeitar as diferenças do outro.

l       Não desprezar a fé e valores do outro.

l       Não ser repetitivo e cansativo.

l       Dar tempo para a semente (palavra) produzir resultado na vida da pessoa. Ore sempre pela pessoa que você está evangelizando.

l       Ser amigo e falar com compaixão.

l       Evitar debates sobre dogmas e religiosidade.

l       Convide para conhecer a Igreja.

l       Bom testemunho é a melhor pregação.

CULTO NOS LARES

l       Entenda que Casa não é Igreja.

l       Evite debates sobre quaisquer assuntos.

l       Você está na posição de evangelista de Deus e não de juiz.

l       Respeitar a casa (espaço) e os objetos pessoais das pessoas da casa.

l       Não se envolver nos problemas particulares das pessoas.

l       Seja educado e simpático.

l       Procurar saber antes o público que estará na casa durante a visita.

l       Você representará a Jesus e a Igreja.

l       Oração mais contida.

Evangelismo nas Ruas

l       Cuidados com seus objetos pessoais.

l       Ouvir e evitar fazer perguntas.

l       Oferecer oração. Sem forçar.

l       Orar sempre com os olhos abertos.

l       Ter sempre em mãos um folheto evangelístico.

l       Entender a condição psicológica da pessoa abordada.

l       Evitar em se comprometer com ajuda posterior a do momento da abordagem.

l       Pregação: Amor e caráter de Jesus, transformação de vida somente em Deus, regeneração e restauração.

Evangelismo Pessoal

l       Respeitar as diferenças do outro.

l       Não desprezar a fé e os valores do outro.

l       Não ser repetitivo e cansativo.

l       Dar tempo para a semente (palavra) produzir resultado na vida da pessoa. Ore sempre pela pessoa que você está evangelizando.

l       Ser amigo e falar sempre com compaixão.

l       Evitar debates sobre dogmas e religiosidade.

l       Convide para conhecer a Igreja.

l       Bom testemunho é a melhor pregação.

Culto Fúnebre

l       Tão logo o ministro receba a notícia da morte de um membro de sua igreja, deverá ir imediatamente ao lar do falecido para oferecer sua ajuda e consolo espiritual aos parentes.

l       O ministro averiguará discretamente os planos da família para o sepultamento, e ajudará em tudo o que for possível. Pode fazer qualquer sugestão que lhe pareça pertinente, sempre com total cuidado em agir com tato e sensibilidade.

l       Um detalhe que deve ficar bem claro é o lugar e a hora do sepultamento, e se a cerimônia vai ser realizada na igreja, no lar ou em uma capela mortuária.

l       Se o ministro conhece bem a família, evitará a todo o custo que eles tenham gastos excessivos, como acontecem com freqüência quando as emoções intensas tomam conta do coração e dos sentidos.

l       O culto fúnebre é uma oportunidade digna da maior consideração e meditação, ideal para se levar a um público heterogêneo a mensagem de esperança e salvação no Senhor Jesus Cristo. Mas isto deve ser feito com a sensibilidade que a ocasião requer, e não como uma campanha evangelística.

l       Portanto, a mensagem deve ser breve, simples e fácil de ser compreendida, para não se perder seu objetivo primordial: consolar a família do falecido, e levar os assistentes a um momento de meditação sobre o futuro encontro com Deus.

l       Para o culto em casa ou na igreja, o ministro chegará na hora indicada, e não começará a cerimônia até receber autorização da família. O ministro deverá ter preparado antecipadamente o programa do culto.

PALAVRAS RECOMENDADAS NO CULTO FÚNEBRE

ü      “Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar”.(João 14:2).

ü      “Então ouvi uma voz do céu, que dizia: Escreve: Bem – aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, descansarão dos seus trabalhos, pois as suas obras os acompanharão”.(Apocalipse 14:13).

ü      “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.” (2 Tim 4:7-8)

ü      “Preciosa é à vista do Senhor a morte de seus santos”.(Salmo 116:15).

ü      “Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens”.(João 1:4).

ü      “Procurai o que faz o Sete-estrelo, e o Orion, e torna a sombra da noite em manhã, e escurece o dia como a noite; o que chama as águas do mar, e as derrama sobre a terra; o Senhor é o seu nome”.(Amos 5:8).

ü      “Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão”.(1Cor 15:58).

ü      “Posso todas as coisas naquele que me fortalece”.(Filipenses 4:13).

ü      “Pois no dia da adversidade ele me esconderá no seu pavilhão; no oculto do seu tabernáculo me esconderá, e por-me-á sobre uma rocha”.(Salmo 27:5).

ü      “Deus enxugará de seus olhos toda a lágrima. Não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor, pois já as primeiras coisas são passadas”.(Ap. 21:4).

ü      “Ora, não sabeis o que acontecerá amanhã. O que é a vossa vida? E um vapor que aparece por um pouco, e logo se desvanece”.(Tiago 4:14).

ü      “Sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos da parte de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus. E por isso também gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é do céu, porque, estando vestidos, não seremos achados nus. Pois também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos angustiados, não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida. Ora, quem para isto mesmo nos preparou foi Deus, o qual nos deu o penhor do Espírito. Pelo que estamos sempre de bom ânimo, sabendo que, enquanto estamos presentes no corpo, estamos ausentes do Senhor. Mas, temos confiança, preferindo deixar este corpo e habitar com o Senhor”.(2 Cor 5:1-8).

ü      “O ladrão só vem para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância.” (João 10:10).

ü      “Ora, o último inimigo que há de ser destruído é a morte”.(1 Coríntios 15:26).

ü      “Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir e estar com Cristo, o que é muito melhor”.(Filipenses 1:23).

CULTO VIA MÍDIA

Existem muitas possibilidades de realizar Evangelismo

l       Hoje em dia realizamos evangelismo através da televisão, rádio, internet, etc.

l       É necessário ter a consciência de que muitas pessoas terão acesso ao conteúdo. Coerência no conteúdo.

l       A pessoa de Jesus deve ser o principal foco da pregação. Qual é o foco? Qual é a intenção? Jesus é o centro?

l       Não usar de estratégias de manipulação.

l       Usar o espaço na mídia para pregar a palavra e não atingir outras igrejas e religiões.

O que você acha dos programas de TV e de rádio dos nossos dias?

CULTO AO AR LIVRE

Qual é o público que você estará ministrando?

Crianças, jovens, idosos, tribos específicas, etc.

·         Para esse trabalho utiliza-se de louvor, dança, teatro, arte, palestras, etc.

·         Ter uma equipe capacitada para realizar durante o culto ao ar livre a entrega de folhetos e intercessores.

·         Pregação sobre o Amor de Deus, Transformação de vida, etc.

·         Usar a simplicidade para desenvolver o evangelismo.

CULTO EM LUGARES PÚBLICOS

l       É necessário entender os limites para se realizar evangelismo em um local público como trabalho, escola, faculdade, etc.

l       Separar o momento de trabalho do momento de evangelizar.

l       Respeitar as regras do local.

l       Bom testemunho fala mais que muitas pregações.

l       Evitar a imagem de fanático.

l       Não ser cansativo e excessivo.

l       Não se isolar dos demais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.